fbpx

Blog

Tecnologia no agronegócio: sua empresa está segura?

Imagem de capa - Trator em uma plantação - Tecnologia no agronegócio: sua empresa está segura?
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Tempo de leitura: 7 minutos

O agronegócio é uma das principais atividades que move a economia brasileira, e ainda causa forte impacto social na geração de empregos e no abastecimento das casas brasileiras. Com tanta influência e poder econômico, o segmento tem sido palco de algumas das mais importantes transformações em tecnologia nos últimos anos. Afinal, é necessário ter sistemas agrícolas inteligentes para sustentar uma projeção de alimentar uma população mundial de 10 bilhões de pessoas até 2050, o que exige um esforço abundante para ampliar a produção de alimentos em até 70 por cento.

A realidade das novas tecnologias e mecanismos inteligentes possibilitam a previsão de falhas em processos, tomadas de decisões, adaptações na cadeia produtiva e autonomia, agregando valor e aumentando a produtividade dos processos.

Uma das exigências, nesse sentido, é a conectividade. Todo os sistemas devem estar conectados para garantir a troca e análise das informações de maneira adequada. Ou seja, uma simples falha de transmissão pode significar um enorme prejuízo. E, se tratando de informações cruciais, tais sistemas precisam estar protegidos de ameaças internas e externas.

Qual a importância da tecnologia no agronegócio?

De modo geral, a tecnologia promove a praticidade, facilita a execução de tarefas na rotina diária do campo e ainda possibilita aos produtores rurais um melhor planejamento, mensuração e utilização correta de uma infinidade de informações e dados, para otimizar a produção. 

Existem hoje no mercado diversas soluções avançadas de gestão com algoritmos desenvolvidos especificamente para atender as demandas desse setor. De acordo com uma pesquisa realizada pela Comissão Brasileira de Agricultura de Precisão (CBAP), 67% das propriedades agrícolas no país já adotaram algum tipo de inovação tecnológica, dentro ou fora do campo. 

Os agricultores contam hoje com soluções avançadas de controle das máquinas com auxílio de GPS, sistemas de mapeamento da colheita, além de softwares de gestão de toda a cadeia produtiva, que oferecem suporte à decisão agronômica. Com isso, a agroindústria consegue alcançar seus objetivos operacionais, aumentar a produtividade e os ganhos de safra das fazendas, além de diminuir os custos.

Quais são as principais tecnologias utilizadas no agronegócio?

Entre as tecnologias que estão transformando o mercado, está a IoT (Internet das Coisas) capaz de direcionar decisões mais ágeis e estratégicas, e a AI (Inteligência Artificial) para automatizar processos jurídicos. Veja a seguir algumas destas iniciativas que estão revolucionando o agronegócio:

Internet das Coisas (Internet of Things ou IoT)

A Internet das Coisas é capaz de transformar o mundo em que vivemos, com indústrias mais eficientes, carros conectados e sistemas agrícolas inteligentes.

Acontece que o agronegócio no Brasil tem realizado importantes investimentos na robotização e na implementação de dispositivos inteligentes visando a estratégia de otimização da gestão e aumento de produtividade.

Para se ter um parâmetro, de acordo com o estudo da Inmarsat “Future of IoT in Enterprise – 2017, ainda que cerca de 54% das empresas no agronegócio em todo mundo já tenham adotado alguma tecnologia IoT ou estejam em processo de implementação, apenas 23% estão confiantes nos níveis de segurança dos seus atuais sistemas.

Big Data e Analytics

Em razão do grande volume de dados gerados pelos sistemas inteligentes, foi identificada a necessidade de tratar e disponibilizar essas informações de uma forma clara, objetiva e unificada para a tomada de decisões sobre onde aplicar seus investimentos.

Nesse sentido, o Big Data e as ferramentas de análise de dados aliam-se a soluções de Inteligência Artificial (AI) para dinamizar o agronegócio. Afinal, a busca incansável pela agricultura de precisão passa necessariamente pelo uso intensivo de dados para melhoria de produtividade. 

Pode-se dizer, portanto, que os dados são a base para os investimentos em pesquisa e desenvolvimento de propriedade intelectual aplicada ao campo. Ou seja, os dados desempenham um papel chave no negócio, melhorando o desempenho, a competitividade e a lucratividade.

Se preocupar com cibersegurança no agronegócio é essencial

Ainda que a tecnologia seja a resposta para muitos problemas, sem cibersegurança novos problemas podem surgir. Com o crescente aumento do número de crimes digitais, existem vulnerabilidades que expõem o agronegócio a malwares, worms e outras ameaças, o que pode representar prejuízos à produção.

A cibersegurança surge então para acompanhar a rapidez das inovações, com proteção em camadas para proteger sua empresa contra as atuais e novas ameaças. 

A lógica da proteção em camadas é ter várias soluções de cibersegurança funcionando simultaneamente, de modo que todas contribuam entre si e minimizem os riscos de um ataque bem-sucedido. Acreditamos que quatro camadas de cibersegurança são essenciais hoje:

  • Um Firewall de Última Geração protegendo a rede
  • Um anti-SPAM e anti-Phishing que proteja a caixa de entrada dos seus usuários, evitando falha humana
  • Uma solução de segurança de endpoint para proteger os dispositivos (computadores, notebooks, tablets, celulares, etc.)
  • E um plano de recuperação de desastres com um backup frequente e confiável.

O ideal é implantar todas elas no seu negócio para garantir proteção contra os principais desafios de segurança do seu negócio. Reunimos a seguir os três desafios de segurança mais comuns no contexto do agronegócio, com base em uma análise formulada pela SonicWall

Extorsão através de malware

Ransomware é uma realidade para pessoas e empresas no Brasil. Um surto de ataques se propaga em nosso país, pressionando a empresas a adotar técnicas avançadas para proteger seus ativos de informação. 

Ataques conhecidos como zero-day (dia zero) , que exploram um ponto fraco do software antes que o fornecedor disponibilize uma correção, são uma constante. Estes ocorrem tanto através de novos códigos maliciosos desenvolvidos a cada dia, quanto por meio do que é conhecido como coquetel de malware.

Sua meta é burlar as ainda frágeis arquiteturas de proteção e são capazes de devastar uma rede, explorando as vulnerabilidades das aplicações envolvidas. E ainda, nem sempre são vírus e podem assumir outras formas de malware, como Trojan e worms.

Uma alternativa para evitar esse tipo de situação é o adotar tecnologias de firewall que integrem diferentes camadas de proteção. Isso inclui técnicas avançadas de proteção como Sandbox, algo fundamental para um negócio estar de fato protegido.

Violação de dados

Tendo em vista o papel estratégico do agronegócio para muitos países, e isto inclui o Brasil, claramente, empresas nesse setor são alvos de ataques direcionados.

O principal objetivo dos criminosos digitais é buscar dados sensíveis vinculados à pesquisa e desenvolvimento. O lucro, nesse sentido, está no roubo de propriedade intelectual – fonte de diferenciais competitivos para empresas do campo que investem milhões de reais para melhorar a eficácia e conquistar mais espaço em um mercado plenamente globalizado e disputado.

Uma forma de prevenir esse tipo de episódio é agregar camadas de soluções de segurança e definir políticas efetivas de acesso a dados. Afinal, considerando que mais de 70% do tráfego seja criptografado, ter recursos ativos para inspecionar este tipo de tráfego é indispensável. Essas ameaças usam criptografia para se camuflar e invadir, às vezes durante meses, recursos computacionais (redes e sistemas).

É comum que profissionais de empresas de agribusiness assim como diversos outros setores usam e-mail como principal ferramenta de colaboração, o que deve ser um ponto de atenção. Dados do SonicWall Security Center revelaram que o Brasil figura entre os países com mais incidência de Spam e Phishing. Ou seja, os criminosos digitais geram e-mails carregados de códigos maliciosos, muitos deles com meios de distribuição de códigos de Ransomware.

Há também técnicas mais avançadas como Spear-Phishing que vem ganhando cada vez mais espaço no cibercrime. A ação consiste em uma prática fraudulenta de enviar e-mails de um remetente conhecido ou confiável. O objetivo é induzir indivíduos a revelar informações confidenciais

Leia também: Conheça os principais golpes de Engenharia Social usadas por cibercriminosos

Indisponibilidade

Há muitas razões para que os cibercriminosos causem indisponibilidade de recursos computacionais, que vão desde sequestro de dados ao ativismo político. Geralmente, a indisponibilidade não afeta apenas centros de dados ou servidores, mas também de dispositivos IoT ou dispositivos móveis como smartphones ou tablets. Esses dispositivos móveis são usados no campo para captura de dados e, muitas vezes, não possuem nenhuma camada de segurança.

Uma opção para se proteger desse tipo de ataque é optar por soluções que protejam cada Endpoint. Busque soluções de segurança que integrem todos os recursos necessários para vencer as ameaças. No agronegócio, isso significa prover acesso seguro a dispositivos inteligentes espalhados pelo campo ou, então, garantir o acesso a usuários remotos.


Na mesma medida em que as novas tecnologias trazem benefícios para os negócios no campo, elas também aumentam consideravelmente as possibilidades e o grau de refinamento dos ataques cibernéticos. Portanto, garantir a segurança e a privacidade dos dados no ramo do agronegócio é uma questão estratégica para os negócios.

A Infomach é expert em soluções de cibersegurança para empresas do agronegócio em todo o Brasil. Clique no banner e saiba como corrigir as principais vulnerabilidades do seu negócio!

Artigos Relacionados

Procurar

Utilize o campo abaixo para encontrar o que deseja no Blog.

Newsletter

Assine nossa newsletter e receba diretamente em seu e-mail nossos informativos.