Ataques cibernéticos não param de crescer

Em 2003, quando começamos a trabalhar com segurança da informação, os vírus de computadores eram brincadeira sem graça de alguns “nerds” e  aficionados por computador. Os prejuízos eram mais operacionais do que propriamente financeiros. Hoje, 15 anos depois, tudo mudou.

Em 2012, a Febraban divulgou que 95% dos prejuízos financeiros dos bancos são digitais. Ou seja, rouba-se muito mais dinheiro através de internet banking  e cartão de crédito online do que em assaltos a agências e caixas eletrônicos. Os vírus, ransomwares e hackers não têm preconceito: atacam empresas pequenas, médias, grandes e gigantes. Varejistas, distribuidores, hospitais, indústrias ou governo: todos têm sido vitimas de ataques e ameaças  digitais.

Muitas vezes nos questionam:

“Por que investir em segurança se mesmo as empresas que investem milhões sofrem ataques e prejuízos?”
Eu costumo responder :

“Ninguém se interessa pelos milhares de ataques de hackers, vírus e ransomwares que são bloqueados diariamente por soluções Antivírus, Firewall, AntiSpam  e outras tecnologias. Tenho certeza que os ataques capazes de passar por todas estas barreiras em camadas são uma minoria.
Sabemos que notebooks são roubados, mas não se divulga quantos eram criptografados e impediram acesso indevido a informações estatégicas. Todos os dias, de maneira silenciosa, nossos clientes são protegidos de ameaças que poderiam paralisar completamente o negócio.  Não investir custa muito mais caro, envolve dinheiro, reputação e clientes”.

Antonio Luiz Alves, Fundador e Diretor Infomach